Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Remédio para piolhos, pulgas e carrapatos adotado por prefeitos não tem eficácia comprovada

Distribuição do medicamento pode criar falsa sensação de segurança contra a covid-19

Terça, 7/7/2020 11:59.
PMExtrema

Publicidade

O medicamento ivermectina que os prefeitos de Itajaí e Balneário Camboriú determinaram que seja usado preventivamente contra covid-19, não tem eficácia comprovada e a distribuição maciça pode criar uma falsa sensação de segurança, agravando a pandemia.

A distribuição de milhares de doses em Itajaí já iniciou e em Balneário Camboriú foi anunciada ontem pelo prefeito Fabrício Oliveira, mas ainda faltam detalhes.

O risco de falsa segurança ficou claro nesta segunda-feira (6), quando circulou em redes sociais uma gravação onde um encarregado do mercado público de Itajaí orienta os comerciantes e afirma que tomando a ivermectina, distribuída pela prefeitura, eles estariam protegidos.

Não é verdade e o fato se reveste de maior gravidade porque aquele mercado, segundo consta da própria gravação, registrou mais de uma dezenas de pessoas contaminadas trabalhando nas bancas.

A ivermectina, originalmente utilizada contra piolhos, pulgas, carrapatos e alguns parasitas intestinais, tem poucas reações adversas e por isso está sendo prescrita também por médicos como mais uma arma de um arsenal que não possui até o momento nenhum medicamento com efeito comprovado contra a covid-19.

Um estudo em laboratório do Monash Biomedicine Discovery Institute com o Peter Doherty Institute of Infection and Immunity, mostrou que a Ivermectina mata o vírus da SARS-CoV-2, mas a dose utilizada na pesquisa foi quase 20 vezes maior do que a suportada por seres humanos.

Não chega a ser novidade, outras pesquisas já mostraram que com dosagem alta a ivermectina elimina uma variedade de vírus, dentre eles HIV, Dengue, Influenza e Zika.

Os pesquisadores fizeram dois alertas: é preciso pesquisar se a dose que pode ser usada em humanos será eficaz e que o uso da ivermectina no combate à covid-19 dependeria dos resultados de mais testes pré-clínicos e de ensaios clínicos.

Médicos escutados pelo Página 3 reforçaram que a ivermectina não tem efeito comprovado, não impede que a pessoa seja contaminada e nem que contamine terceiros, portanto o uso de máscaras, o distanciamento, o isolamento social e outras medidas preventivas não devem ser descuidadas neste momento em que a pandemia continua crescendo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
PMExtrema

Remédio para piolhos, pulgas e carrapatos adotado por prefeitos não tem eficácia comprovada

Distribuição do medicamento pode criar falsa sensação de segurança contra a covid-19

Publicidade

Terça, 7/7/2020 11:59.

O medicamento ivermectina que os prefeitos de Itajaí e Balneário Camboriú determinaram que seja usado preventivamente contra covid-19, não tem eficácia comprovada e a distribuição maciça pode criar uma falsa sensação de segurança, agravando a pandemia.

A distribuição de milhares de doses em Itajaí já iniciou e em Balneário Camboriú foi anunciada ontem pelo prefeito Fabrício Oliveira, mas ainda faltam detalhes.

O risco de falsa segurança ficou claro nesta segunda-feira (6), quando circulou em redes sociais uma gravação onde um encarregado do mercado público de Itajaí orienta os comerciantes e afirma que tomando a ivermectina, distribuída pela prefeitura, eles estariam protegidos.

Não é verdade e o fato se reveste de maior gravidade porque aquele mercado, segundo consta da própria gravação, registrou mais de uma dezenas de pessoas contaminadas trabalhando nas bancas.

A ivermectina, originalmente utilizada contra piolhos, pulgas, carrapatos e alguns parasitas intestinais, tem poucas reações adversas e por isso está sendo prescrita também por médicos como mais uma arma de um arsenal que não possui até o momento nenhum medicamento com efeito comprovado contra a covid-19.

Um estudo em laboratório do Monash Biomedicine Discovery Institute com o Peter Doherty Institute of Infection and Immunity, mostrou que a Ivermectina mata o vírus da SARS-CoV-2, mas a dose utilizada na pesquisa foi quase 20 vezes maior do que a suportada por seres humanos.

Não chega a ser novidade, outras pesquisas já mostraram que com dosagem alta a ivermectina elimina uma variedade de vírus, dentre eles HIV, Dengue, Influenza e Zika.

Os pesquisadores fizeram dois alertas: é preciso pesquisar se a dose que pode ser usada em humanos será eficaz e que o uso da ivermectina no combate à covid-19 dependeria dos resultados de mais testes pré-clínicos e de ensaios clínicos.

Médicos escutados pelo Página 3 reforçaram que a ivermectina não tem efeito comprovado, não impede que a pessoa seja contaminada e nem que contamine terceiros, portanto o uso de máscaras, o distanciamento, o isolamento social e outras medidas preventivas não devem ser descuidadas neste momento em que a pandemia continua crescendo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade