Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Bia Mattar deixa a Fundação Cultural de Balneário Camboriú focando no pleito eleitoral

O nome de quem ocupará o cargo ainda não foi divulgado

Quinta, 2/4/2020 17:09.
Celso Peixoto
Bia Mattar

Publicidade

A bailarina, professora, coreógrafa e produtora cultural Bia Mattar, presidente da Fundação Cultural de Balneário Camboriú, revelou com exclusividade ao Página 3 na tarde desta quinta-feira (2) que está deixando o cargo para focar no pleito eleitoral. Bia atuava na FCBC desde 2017, inicialmente como diretora de interação cultural, e em fevereiro de 2019 assumiu a presidência (até então interina, oficializada em outubro).

Ela explica que a decisão do desligamento da Fundação veio porque havia se comprometido anteriormente com o pleito eleitoral (PDT), e que a sua saída para esse novo desafio integra o seu discurso como técnica e artista, enaltecendo que leva em consideração seu histórico com o envolvimento nas políticas culturais brasileiras, tendo respaldo para saber que ‘chega a hora de enfrentar mais esse aprendizado’, em nome da arte e da cultura, da mulher e da qualidade de vida.

“Agradeço imensamente ao George Varela, que presidia a Fundação quando eu atuava ainda como diretora, e principalmente ao prefeito Fabrício de Oliveira, toda a confiança que ele depositou em mim, acreditando no meu potencial, independente de todas as adversidades que a política exigia das suas decisões. Também foi um prazer trabalhar com os servidores da Fundação Cultural e valorizar o que cada um deles tem para oferecer ao município, eles são a história da instituição”, diz.

Bia destaca que ama a cultura e a arte e acredita que sonhos podem se tornar realidade com ferramentas de gestão utilizadas em empreendimentos sustentáveis e lucrativos.

“Não só a cultura dos grandes eventos foi nossa iniciativa, mas também a cultura no seu sentido strictu senso, ou seja, aquela voltada para a profissão de artista. Ainda trouxemos a cultura no sentido antropológico de respeito às manifestações culturais, os usos, costumes e hábitos das pessoas”, analisa.

Ela aproveita para lembrar que neste momento de pandemia, a arte e as crenças – ‘isso tudo é cultura’ – é o que está aliviando a dor da vida de todos.

“A capacidade de gestão da economia criativa atuando na capacitação de nossos produtores culturais tem sido nossa mudança de chave nas decisões compartilhadas com a comunidade, a exemplo do ótimo diálogo que temos com o Conselho de Cultura e os artistas de diversas linguagens, como o artesanato, a música, dança, audiovisual etc., num processo democrático e participativo”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Celso Peixoto
Bia Mattar
Bia Mattar

Bia Mattar deixa a Fundação Cultural de Balneário Camboriú focando no pleito eleitoral

O nome de quem ocupará o cargo ainda não foi divulgado

Publicidade

Quinta, 2/4/2020 17:09.

A bailarina, professora, coreógrafa e produtora cultural Bia Mattar, presidente da Fundação Cultural de Balneário Camboriú, revelou com exclusividade ao Página 3 na tarde desta quinta-feira (2) que está deixando o cargo para focar no pleito eleitoral. Bia atuava na FCBC desde 2017, inicialmente como diretora de interação cultural, e em fevereiro de 2019 assumiu a presidência (até então interina, oficializada em outubro).

Ela explica que a decisão do desligamento da Fundação veio porque havia se comprometido anteriormente com o pleito eleitoral (PDT), e que a sua saída para esse novo desafio integra o seu discurso como técnica e artista, enaltecendo que leva em consideração seu histórico com o envolvimento nas políticas culturais brasileiras, tendo respaldo para saber que ‘chega a hora de enfrentar mais esse aprendizado’, em nome da arte e da cultura, da mulher e da qualidade de vida.

“Agradeço imensamente ao George Varela, que presidia a Fundação quando eu atuava ainda como diretora, e principalmente ao prefeito Fabrício de Oliveira, toda a confiança que ele depositou em mim, acreditando no meu potencial, independente de todas as adversidades que a política exigia das suas decisões. Também foi um prazer trabalhar com os servidores da Fundação Cultural e valorizar o que cada um deles tem para oferecer ao município, eles são a história da instituição”, diz.

Bia destaca que ama a cultura e a arte e acredita que sonhos podem se tornar realidade com ferramentas de gestão utilizadas em empreendimentos sustentáveis e lucrativos.

“Não só a cultura dos grandes eventos foi nossa iniciativa, mas também a cultura no seu sentido strictu senso, ou seja, aquela voltada para a profissão de artista. Ainda trouxemos a cultura no sentido antropológico de respeito às manifestações culturais, os usos, costumes e hábitos das pessoas”, analisa.

Ela aproveita para lembrar que neste momento de pandemia, a arte e as crenças – ‘isso tudo é cultura’ – é o que está aliviando a dor da vida de todos.

“A capacidade de gestão da economia criativa atuando na capacitação de nossos produtores culturais tem sido nossa mudança de chave nas decisões compartilhadas com a comunidade, a exemplo do ótimo diálogo que temos com o Conselho de Cultura e os artistas de diversas linguagens, como o artesanato, a música, dança, audiovisual etc., num processo democrático e participativo”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade