Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Presidente dos Grupos de Apoio à Adoção visita Anjos da Vida, em Balneário Camboriú
Sara (blusa preta, ao centro) com os Anjos da Vida, em Balneário Camboriú.

Sexta, 21/6/2019 12:59.

Desde ontem (20) está acontecendo em Blumenau, no Parque Vila Germânica, o Encontro Nacional de Grupos de Apoio à Adoção (Enapa). O encontro é comandado pela advogada e presidente da Associação Nacional de Grupos de Apoio à Adoção (ANGAAD), Sara Vargas. Ela aproveitou a vinda para Santa Catarina para conhecer também o Grupo Anjos da Vida, de Balneário Camboriú.

Sara conversou com o Página 3 na manhã de hoje (21) e disse que a visita ao Anjos da Vida foi ‘maravilhosa’, enaltecendo que o Grupo mistura o essencial que é a excelência profissional com o afeto.

“Os profissionais e voluntários do Anjos da Vida visivelmente têm amor pelo que fazem, e isso se vê no atendimento, na forma como recebem ao público, como se relacionam e até nos detalhes da decoração do ambiente. Também tive a oportunidade de falar com futuros pais, que estão fazendo o curso, e isso só reforçou a percepção que eu já tinha. É sem dúvidas um Grupo exemplar”, afirma.

ENAPA

Sobre o Enapa, que está acontecendo em Blumenau, Sara conta que estão participando cerca de 500 pessoas, representantes de Grupos de Apoio à Adoção das cinco regiões do país.

Hoje há aproximadamente 170 Grupos no Brasil. Na programação há palestras, workshops e exposições. A ideia é criar um ambiente propício para a troca de experiências sobre a conscientização em relação à adoção.

Um dos destaques é a palestra do jornalista Marcos Piangers, autor do livro ‘O Papai É Pop’, que palestra sábado (22), às 11h, no evento, além de representantes do Instituto Karyn Purvis, nos Estados Unidos.

“Para nós é um privilégio estar em Santa Catarina, é um Estado que tem feito muito em prol das famílias, crianças e adolescentes, além de que sempre produziu muito material de pesquisa sobre o assunto”, salienta.

Desafios e futuro

Sara diz que ainda há muito a ser feito sobre a questão da adoção no Brasil. Ela analisa que o objetivo principal é promover ainda mais os Grupos, com o objetivo de auxiliar mais crianças e adolescentes a encontrarem suas famílias.

Um dos pontos citados por ela foi a adoção tardia, que é um tema difícil, mas que já melhorou muito.

“Muitos mitos vêm sendo quebrados e a ampliação do perfil procurado pelos adotantes tem acontecido. Por exemplo, há oito anos os interessados achavam que uma criança de três anos já era velha, e hoje não encontramos dificuldade para adotar crianças até nove anos.

Também estamos conseguindo fazer a adoção de irmãos e até de crianças doentes”, explica.

A presidente vê que as pessoas ‘não se apaixonam por quem não conhecem’, por isso é preciso dar a chance de encontros entre interessados em adotar com as crianças.

“O perfil das famílias também se ampliou. Hoje há mais solteiros e casais homoafetivos na fila de adoção e fazendo os cursos junto aos Grupos. Sem dúvida isso é positivo, é a modernidade. As famílias mudaram e temos que acompanhar isso. Todos têm direito de constituir família”, finaliza. 

Sara com a psicóloga Lenita Novaes, uma das fundadoras do grupo em Balneário.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Presidente dos Grupos de Apoio à Adoção visita Anjos da Vida, em Balneário Camboriú

Sara (blusa preta, ao centro) com os Anjos da Vida, em Balneário Camboriú.
Sara (blusa preta, ao centro) com os Anjos da Vida, em Balneário Camboriú.

Publicidade

Sexta, 21/6/2019 12:59.

Desde ontem (20) está acontecendo em Blumenau, no Parque Vila Germânica, o Encontro Nacional de Grupos de Apoio à Adoção (Enapa). O encontro é comandado pela advogada e presidente da Associação Nacional de Grupos de Apoio à Adoção (ANGAAD), Sara Vargas. Ela aproveitou a vinda para Santa Catarina para conhecer também o Grupo Anjos da Vida, de Balneário Camboriú.

Sara conversou com o Página 3 na manhã de hoje (21) e disse que a visita ao Anjos da Vida foi ‘maravilhosa’, enaltecendo que o Grupo mistura o essencial que é a excelência profissional com o afeto.

“Os profissionais e voluntários do Anjos da Vida visivelmente têm amor pelo que fazem, e isso se vê no atendimento, na forma como recebem ao público, como se relacionam e até nos detalhes da decoração do ambiente. Também tive a oportunidade de falar com futuros pais, que estão fazendo o curso, e isso só reforçou a percepção que eu já tinha. É sem dúvidas um Grupo exemplar”, afirma.

ENAPA

Sobre o Enapa, que está acontecendo em Blumenau, Sara conta que estão participando cerca de 500 pessoas, representantes de Grupos de Apoio à Adoção das cinco regiões do país.

Hoje há aproximadamente 170 Grupos no Brasil. Na programação há palestras, workshops e exposições. A ideia é criar um ambiente propício para a troca de experiências sobre a conscientização em relação à adoção.

Um dos destaques é a palestra do jornalista Marcos Piangers, autor do livro ‘O Papai É Pop’, que palestra sábado (22), às 11h, no evento, além de representantes do Instituto Karyn Purvis, nos Estados Unidos.

“Para nós é um privilégio estar em Santa Catarina, é um Estado que tem feito muito em prol das famílias, crianças e adolescentes, além de que sempre produziu muito material de pesquisa sobre o assunto”, salienta.

Desafios e futuro

Sara diz que ainda há muito a ser feito sobre a questão da adoção no Brasil. Ela analisa que o objetivo principal é promover ainda mais os Grupos, com o objetivo de auxiliar mais crianças e adolescentes a encontrarem suas famílias.

Um dos pontos citados por ela foi a adoção tardia, que é um tema difícil, mas que já melhorou muito.

“Muitos mitos vêm sendo quebrados e a ampliação do perfil procurado pelos adotantes tem acontecido. Por exemplo, há oito anos os interessados achavam que uma criança de três anos já era velha, e hoje não encontramos dificuldade para adotar crianças até nove anos.

Também estamos conseguindo fazer a adoção de irmãos e até de crianças doentes”, explica.

A presidente vê que as pessoas ‘não se apaixonam por quem não conhecem’, por isso é preciso dar a chance de encontros entre interessados em adotar com as crianças.

“O perfil das famílias também se ampliou. Hoje há mais solteiros e casais homoafetivos na fila de adoção e fazendo os cursos junto aos Grupos. Sem dúvida isso é positivo, é a modernidade. As famílias mudaram e temos que acompanhar isso. Todos têm direito de constituir família”, finaliza. 

Sara com a psicóloga Lenita Novaes, uma das fundadoras do grupo em Balneário.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade