Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Jornalismo local aprofunda a democracia, dizem estudos
Reprodução.

Sábado, 15/6/2019 9:36.

(FOLHAPRESS) - A existência de veículos de comunicação locais aumenta a participação política da população, faz os políticos trabalharem mais com menos dinheiro e constrói um senso de pertencimento e identidade nas comunidades beneficiadas pela cobertura.

Essa é a conclusão de não um, mas de 18 estudos sobre jornalismo comunitário compilados por Josh Stearns, diretor do programa Public Square (praça pública) da ONG Democracy Fund, que levanta recursos para atividades que beneficiem a democracia.

Apesar disso, o jornalismo local é cada vez mais escasso e sofre dificuldades para se financiar. Nos Estados Unidos, estima-se que pelo menos 900 comunidades tenham perdido veículos locais desde 2004. No Brasil, 51% dos municípios existem nos chamados desertos de notícias -locais que não contam com nenhum veículo próprio.

Ao todo, 64 milhões de brasileiros vivem em desertos e "quase desertos" de notícias, segundo o levantamento Atlas da Notícia, feito pelo Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo) em parceria com a agência Volt Data Lab.

Um dos estudos compilados por Stearns, dos pesquisadores Matthew Gentzkow e Jesse Shapiro, mostrou que o hábito de ler jornal pode mobilizar até 13% dos eleitores que não iriam às urnas. Outro, feito por Sam Schulhofer-Wohl e Miguel Garrido, descobriu que, após o fim do jornal Cincinnati Post, menos eleitores da área foram votar, menos cidadãos se candidataram a cargos eletivos e os políticos com mandatos se tornaram mais propensos a serem reeleitos.

Uma pesquisa de James Snyder Jr. e David Strömberg mostrou que os congressistas cobertos com menos frequência pela imprensa local trabalham menos em seus mandatos, vão a menos audiências públicas e atraem menos investimentos federais nas comunidades que os elegeram. Outra, de Paul Gao and Chang Lee, apurou que as cidades afetadas pelo fechamento de jornais locais tiveram aumentos nos gastos com licitações, devido à falta de questionamento sobre a origem desses negócios.

De modo similar, os pesquisadores Aymo Brunetti e Beatrice Weder apontou uma correlação direta entre o aumento da liberdade de imprensa e a diminuição da corrupção ao redor do mundo.

Por fim, uma série de estudos citados por Josh Stearns demonstram que a existência da imprensa local ajuda a promover um senso de coesão, identidade e pertencimento nas comunidades. A cobertura jornalística produzida de dentro das comunidades também serve como fonte primária para pesquisadores de diversas áreas, e tende a antecipar pautas cobertas posteriormente pela imprensa nacional.

A compilação completa dos estudos está disponível, em inglês, no site: https://medium.com/office-of-citizen/how-we-know-journalism-is-good-for-democracy-9125e5c995fb. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Jornalismo local aprofunda a democracia, dizem estudos

Reprodução.

Publicidade

Sábado, 15/6/2019 9:36.

(FOLHAPRESS) - A existência de veículos de comunicação locais aumenta a participação política da população, faz os políticos trabalharem mais com menos dinheiro e constrói um senso de pertencimento e identidade nas comunidades beneficiadas pela cobertura.

Essa é a conclusão de não um, mas de 18 estudos sobre jornalismo comunitário compilados por Josh Stearns, diretor do programa Public Square (praça pública) da ONG Democracy Fund, que levanta recursos para atividades que beneficiem a democracia.

Apesar disso, o jornalismo local é cada vez mais escasso e sofre dificuldades para se financiar. Nos Estados Unidos, estima-se que pelo menos 900 comunidades tenham perdido veículos locais desde 2004. No Brasil, 51% dos municípios existem nos chamados desertos de notícias -locais que não contam com nenhum veículo próprio.

Ao todo, 64 milhões de brasileiros vivem em desertos e "quase desertos" de notícias, segundo o levantamento Atlas da Notícia, feito pelo Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo) em parceria com a agência Volt Data Lab.

Um dos estudos compilados por Stearns, dos pesquisadores Matthew Gentzkow e Jesse Shapiro, mostrou que o hábito de ler jornal pode mobilizar até 13% dos eleitores que não iriam às urnas. Outro, feito por Sam Schulhofer-Wohl e Miguel Garrido, descobriu que, após o fim do jornal Cincinnati Post, menos eleitores da área foram votar, menos cidadãos se candidataram a cargos eletivos e os políticos com mandatos se tornaram mais propensos a serem reeleitos.

Uma pesquisa de James Snyder Jr. e David Strömberg mostrou que os congressistas cobertos com menos frequência pela imprensa local trabalham menos em seus mandatos, vão a menos audiências públicas e atraem menos investimentos federais nas comunidades que os elegeram. Outra, de Paul Gao and Chang Lee, apurou que as cidades afetadas pelo fechamento de jornais locais tiveram aumentos nos gastos com licitações, devido à falta de questionamento sobre a origem desses negócios.

De modo similar, os pesquisadores Aymo Brunetti e Beatrice Weder apontou uma correlação direta entre o aumento da liberdade de imprensa e a diminuição da corrupção ao redor do mundo.

Por fim, uma série de estudos citados por Josh Stearns demonstram que a existência da imprensa local ajuda a promover um senso de coesão, identidade e pertencimento nas comunidades. A cobertura jornalística produzida de dentro das comunidades também serve como fonte primária para pesquisadores de diversas áreas, e tende a antecipar pautas cobertas posteriormente pela imprensa nacional.

A compilação completa dos estudos está disponível, em inglês, no site: https://medium.com/office-of-citizen/how-we-know-journalism-is-good-for-democracy-9125e5c995fb. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade