Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Autoridades do autoconhecimento levam público recorde à 2ª edição do Congresso Vida!

Segunda, 5/8/2019 11:32.
Fotos: Rivo Biehl/Congresso Vida!
O público surpreendeu nesta edição

Publicidade

Um público de mais de 700 pessoas e um objetivo em comum: a busca por se conhecer melhor para aprimorar a vida pessoal e a profissional. Toda esta gente se reuniu no final de semana em Balneário Camboriú na segunda edição do Congresso Brasileiro de Autoconhecimento (Vida!), que praticamente dobrou na quantidade de participantes em relação ao ano anterior e trouxe informações por meio de palestras, encontros e vivências. Realizado no Clube Ariribá, com as palestras do palco principal acessível em Libras, o evento teve uma elevada participação masculina, motivada principalmente pelo detalhamento da cultura organizacional comum em locais de inovação.


Samira Rocha

“Estou feliz por ter conseguido mobilizar o público masculino porque consegue, desta forma, desmistificar o movimento. Se autoconhecer nada mais é do que melhorar as nossas relações internas e com o mundo, sejam pessoais ou profissionais. Fazer esta conexão nos fortalece e nos deixa muito feliz, porque vai ao encontro do nosso propósito”, celebra a organizadora Samira Rocha.

Em dois dias, os participantes trocaram experiências e ouviram autoridades de diferentes áreas. Confira o resumo:

Fernando Rocha - “Por que é tão difícil alcançar objetivos e metas?”

O jornalista abriu a sequência de palestras falando sobre as escolhas feitas na vida, que dependem única e exclusivamente de cada um de nós. Com o repertório de conhecimento como ferramenta para a profissão, ele reforça que o que aprendeu ontem, praticamente não tem validade amanhã.

“Importante é entender a diferença entre aprender e conhecer. Quando a gente aprende, muda”, destaca. Sobre as metas que sempre pautaram sua vida pessoal e profissional, ele pondera cinco aspectos que fazem a diferença no processo de alcançar estes objetivos.

Primeiro é entender a velocidade das mudanças; depois planejar metas realistas, possíveis de serem cumpridas dentro da sua própria medida. Em terceiro lugar, correr atrás do cumprimento destes objetivos criados para você mesmo; acreditar no impossível, porque apenas o indivíduo sabe o seu potencial e, por fim, estar aberto às mudanças, aos novos ares, aos desafios.

“Deixar para trás a zona de conforto é algo primordial neste processo”, completa.


Mariane Nicoloso – “A arte de alinhar trabalhos e sonhos”

Reconhecida pelo seu trabalho na área de Recursos Humanos, a palestrante tem um currículo voltado principalmente à formação de profissionais. E toda esta bagagem ela trouxe aos participantes do Vida!. Com dados alarmantes sobre a falta de propósito profissional conectado ao exercício diário da profissão para poder se manter economicamente, Mariane mostrou informações como 85% dos executivos com salários entre R$ 30 mil e R$ 50 mil não gostam do que fazem, assim como 98% dos brasileiros não estão atuando em suas áreas de formação. Tem ainda os 72% que não escolheram a empresa atual para trabalhar. Ter certeza do que se faz bem, olhar diariamente para dentro de si, voltar à sua história e verificar o que fazia de maneira natural são dicas para entender sua verdadeira vocação e possível mudança de carreira.

“Relembrar pessoas que inspiram você, bem como escolher três importantes momentos de sua carreira, ligados a comportamento, habilidades e conhecimento, podem ajudar a elucidar o seu real talento”, considera.

A palestrante destaca ainda a importância de acessar os momentos críticos da vida e perceber quais valores você não abre mão.
“Desta forma, consegue identificar o propósito e tem uma maior facilidade de ajustar isso à vida profissional”.


Laura Packer – “Alimentação como um propósito”

Ao levantar a capacidade de escolha também para a parte nutricional, Laura defende não apenas a percepção social ou sustentável do tema, mas também as potencialidades de uma vida mais saudável ao optar por uma alimentação que deixa de fora alimentos de origem animal, como carnes, ovos e lácteos. Ela apresenta estudos mundiais sobre como, mediante a pureza do alimento, se purifica a própria vida. Estudiosa do tema e adepta de um estilo de vida vegano, ela destaca principalmente a necessidade da consciência em mudar a chave mental, para que tornar-se parte deste universo não seja algo doloroso.

“É importante ir aos poucos, fazendo pequenas concessões e percebendo as mudanças na saúde obtidas a partir deste processo”, considera.


Rosimar Almeida – “Campo das conexões: melhore sua relação com as pessoas”

Professora, coach e advogada, Rosimar é uma estudiosa da Constelação Sistêmica, tema que se refere à padronização comportamental dos ancestrais para identificação de situações atuais que possam interferir na sua vida.

“Para que os nossos campos funcionem, precisamos ter clareza dos nossos papéis enquanto filhos, enquanto pais, enquanto irmãos... Ao perceber os padrões adotados ao nosso redor, é possível quebrar o ciclo vicioso e entender melhor qual a melhor solução para o nosso eu”.

Ela acentua ainda que ter discernimento é não ter julgamento, porque ele cala a verdade da nossa alma.

“Tem gente que leva uma vida inteira para aprender sobre si mesmo e isso não é um problema. Cada um tem a sua hora”, complementa. E para chegar a isso, é necessário esvaziar-se de muitos conceitos e ideias pré-existentes.


Lúcia Helena Galvão – “Conheça as sete leis que regem o universo”

Filósofa e professora aclamada, ela trouxe informações de Caibalion com suas máximas herméticas como modelo de conhecimento interno. A evolução, segundo ela, nada mais é do que corresponder a um ideal.

“Se você aprende que a vida não é caos, mas sim o cosmo, que há correspondência entre as coisas, que tudo se move, há vibração, você já entende profundamente o todo”.

Lúcia Helena destaca ainda a polaridade, o ritmo, causa e efeito e gênero como parte das sete leis de regência do universo. Ela foi a única palestrante pela segunda vez no Congresso Brasileiro de Autoconhecimento (Vida!).


Allan Dias Castro e Tiago Corrêa – “Autoconfiança”

A dupla de amigos que fundou o Reverb apresentou música e poesia para falar da “maldição em ser feliz”. Alguém que você gosta, tem vergonha do que você é? Com enfrentamentos, videografismos e canções de qualidade, eles fizeram o público se encantar com a criatividade em apresentar os temas relacionados à autoconfiança.

“O que é pior: desistir do que quer ou se contentar com o que nunca quis?” dizia o refrão de uma das músicas.

Tiago e Allan apontaram ainda sobre a importância de manter viva a criança dentro de cada um e questionaram situações como se houve ou não interferência em se tornar o que se tornou na vida adulta. Os músicos-palestrantes ainda instigaram que conhecer o caminho nos leva sempre ao mesmo lugar. E é aí que mora o marasmo.


Helder Kamei – “Três caminhos cientificamente comprovados para a felicidade”

Psicólogo estudioso da psicologia positiva e presidente da Associação da Psicologia Positiva para a América Latina, Kamei é uma sumidade na área e arrasta multidões ao facilitar o conhecimento comprovado por meio de experimentos em todo o planeta. Ao conectar a tríade da vida (prazerosa, engajada e significativa) ao cenário corporativo, apontou como buscar a felicidade tanto no campo pessoal quanto no profissional.

Precisamos aumentar a frequência de emoções positivas como gratidão e serenidade, ter um estado de fluidez da mente e servir a uma causa. Se conseguir os três, você terá uma vida plena”, ressaltou ele no palco para a multidão.

As pesquisas científicas apontam as 10 emoções positivas principais (alegria, serenidade, gratidão, orgulho, diversão, admiração, inspiração e amor) e mostram também a importância do equilíbrio emocional, de 75% dos momentos positivos para apenas 25% negativo.

“Isso é um hábito que pode ser criado, por meio de técnicas e percepção do seu dia a dia. Em termos de trabalho, seria, por exemplo, seis horas de boas sensações para apenas duas de momentos não tão positivos. Colocar no papel e identificar para se policiar depois é um grande passo”, comenta.


Isabel Cristina Otto – “O caminho realização pessoal e o encontro de seus propósitos”

A estudiosa moradora da Serra Catarinense acredita na espiritualidade como um chamamento interno, um passo que cada um de nós encontra por conta própria.

“A melhor coisa para fazer ao outro é se melhorar. Pare de querer salvar os outros, cuide primeiro de você”, pontua.

Ela considera muito importante parar de se vitimar e acreditar na sabedoria interna do corpo. Prestar atenção no que se acredita, entendendo os nossos padrões e ouvir a inteligência do corpo através do coração (intuição e sincronicidade) é um caminho para manter o campo energético elevado e garantir uma prática diária que leva à felicidade, à cura e ao autoconhecimento.


Nila Costa – “Como está sua contribuição social”

Fotógrafa carioca e ativista das causas dos portadores da Síndrome de Down há três anos, desde que se descobriu grávida de uma filha com a trissomia no cromossomo 21, Nila já tem uma forte relevância ao conquistar espaço no Brasil e no Exterior com foco na divulgação da informação do tema para melhorar a vida tanto dos portadores quanto dos familiares. Numa palestra repleta de risos e lágrimas, emoções e reconhecimentos, ela mostrou sua trajetória com passagens importantes em eventos de Brasília, Miami e Nova York, bem como deixou claro seus objetivos enquanto mãe e mulher ativista da causa e criadora do projeto Let Me Be (Deixe me ser).

“Quero ser fonte de informação, levar tranquilidade e amor principalmente aos pais ainda carentes sobre que tipo de vida levar com seus filhos Down. Na realidade, apenas deixar claro que são puro amor e têm condições de uma vida como outra qualquer”.


Carolina Cassiano e Sven Frölich – “O poder da comunicação não violenta”

O casal formado pela brasileira e pelo alemão viaja o mundo reforçando a importância do entendimento de que uma comunicação pode ser mais efetiva quando não abordada sem empatia, sem entendimento das causas e efeitos.

“O grande problema do ser humano é o julgamento, que nos tira a capacidade de ver humanidade nos outros e acaba sendo o culpado por gerar mal-estar nas relações”, comenta Carolina.

Eles acentuam a importância em estar apto para as mudanças, transformar a intenção buscando a compreensão múltipla, enxergar a realidade observando os fatos e não os julgamentos e desenvolver a independência emocional. Situações governamentais e até orientações em exércitos internacionais estão no currículo da dupla que fez sua apresentação no Congresso Vida!


Eduardo Maróstica – “Mudança de mindset”

O pós-doutor e conceituadíssimo professor de entidades como a Fundação Getúlio Vargas (FGV), Maróstica trouxe a necessidade de sermos mais tolerantes e nos perdoar mais como peça-fundamental no processo de mudança de mindset.

“Querer fazer a diferença e agir é o que garante o virar de chave”.

Novamente o tema não cobrar tanto do outro, oferecendo o melhor de si próprio, com muita força mental e descoberta de que a glória está dentro de cada um veio à tona. Para o especialista, mudar os hábitos descartando os ruins, ter visão expandida e sair da zona de conforto garantem novas reflexões.

“Atitude é o que importa. E aja agora, não espere pelos outros, pelo melhor cenário, pelas mudanças que estão é dentro de você”, complementa.


Fonte: Oficina das Palavras


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Autoridades do autoconhecimento levam público recorde à 2ª edição do Congresso Vida!

Fotos: Rivo Biehl/Congresso Vida!
O público surpreendeu nesta edição
O público surpreendeu nesta edição

Publicidade

Segunda, 5/8/2019 11:32.

Um público de mais de 700 pessoas e um objetivo em comum: a busca por se conhecer melhor para aprimorar a vida pessoal e a profissional. Toda esta gente se reuniu no final de semana em Balneário Camboriú na segunda edição do Congresso Brasileiro de Autoconhecimento (Vida!), que praticamente dobrou na quantidade de participantes em relação ao ano anterior e trouxe informações por meio de palestras, encontros e vivências. Realizado no Clube Ariribá, com as palestras do palco principal acessível em Libras, o evento teve uma elevada participação masculina, motivada principalmente pelo detalhamento da cultura organizacional comum em locais de inovação.


Samira Rocha

“Estou feliz por ter conseguido mobilizar o público masculino porque consegue, desta forma, desmistificar o movimento. Se autoconhecer nada mais é do que melhorar as nossas relações internas e com o mundo, sejam pessoais ou profissionais. Fazer esta conexão nos fortalece e nos deixa muito feliz, porque vai ao encontro do nosso propósito”, celebra a organizadora Samira Rocha.

Em dois dias, os participantes trocaram experiências e ouviram autoridades de diferentes áreas. Confira o resumo:

Fernando Rocha - “Por que é tão difícil alcançar objetivos e metas?”

O jornalista abriu a sequência de palestras falando sobre as escolhas feitas na vida, que dependem única e exclusivamente de cada um de nós. Com o repertório de conhecimento como ferramenta para a profissão, ele reforça que o que aprendeu ontem, praticamente não tem validade amanhã.

“Importante é entender a diferença entre aprender e conhecer. Quando a gente aprende, muda”, destaca. Sobre as metas que sempre pautaram sua vida pessoal e profissional, ele pondera cinco aspectos que fazem a diferença no processo de alcançar estes objetivos.

Primeiro é entender a velocidade das mudanças; depois planejar metas realistas, possíveis de serem cumpridas dentro da sua própria medida. Em terceiro lugar, correr atrás do cumprimento destes objetivos criados para você mesmo; acreditar no impossível, porque apenas o indivíduo sabe o seu potencial e, por fim, estar aberto às mudanças, aos novos ares, aos desafios.

“Deixar para trás a zona de conforto é algo primordial neste processo”, completa.


Mariane Nicoloso – “A arte de alinhar trabalhos e sonhos”

Reconhecida pelo seu trabalho na área de Recursos Humanos, a palestrante tem um currículo voltado principalmente à formação de profissionais. E toda esta bagagem ela trouxe aos participantes do Vida!. Com dados alarmantes sobre a falta de propósito profissional conectado ao exercício diário da profissão para poder se manter economicamente, Mariane mostrou informações como 85% dos executivos com salários entre R$ 30 mil e R$ 50 mil não gostam do que fazem, assim como 98% dos brasileiros não estão atuando em suas áreas de formação. Tem ainda os 72% que não escolheram a empresa atual para trabalhar. Ter certeza do que se faz bem, olhar diariamente para dentro de si, voltar à sua história e verificar o que fazia de maneira natural são dicas para entender sua verdadeira vocação e possível mudança de carreira.

“Relembrar pessoas que inspiram você, bem como escolher três importantes momentos de sua carreira, ligados a comportamento, habilidades e conhecimento, podem ajudar a elucidar o seu real talento”, considera.

A palestrante destaca ainda a importância de acessar os momentos críticos da vida e perceber quais valores você não abre mão.
“Desta forma, consegue identificar o propósito e tem uma maior facilidade de ajustar isso à vida profissional”.


Laura Packer – “Alimentação como um propósito”

Ao levantar a capacidade de escolha também para a parte nutricional, Laura defende não apenas a percepção social ou sustentável do tema, mas também as potencialidades de uma vida mais saudável ao optar por uma alimentação que deixa de fora alimentos de origem animal, como carnes, ovos e lácteos. Ela apresenta estudos mundiais sobre como, mediante a pureza do alimento, se purifica a própria vida. Estudiosa do tema e adepta de um estilo de vida vegano, ela destaca principalmente a necessidade da consciência em mudar a chave mental, para que tornar-se parte deste universo não seja algo doloroso.

“É importante ir aos poucos, fazendo pequenas concessões e percebendo as mudanças na saúde obtidas a partir deste processo”, considera.


Rosimar Almeida – “Campo das conexões: melhore sua relação com as pessoas”

Professora, coach e advogada, Rosimar é uma estudiosa da Constelação Sistêmica, tema que se refere à padronização comportamental dos ancestrais para identificação de situações atuais que possam interferir na sua vida.

“Para que os nossos campos funcionem, precisamos ter clareza dos nossos papéis enquanto filhos, enquanto pais, enquanto irmãos... Ao perceber os padrões adotados ao nosso redor, é possível quebrar o ciclo vicioso e entender melhor qual a melhor solução para o nosso eu”.

Ela acentua ainda que ter discernimento é não ter julgamento, porque ele cala a verdade da nossa alma.

“Tem gente que leva uma vida inteira para aprender sobre si mesmo e isso não é um problema. Cada um tem a sua hora”, complementa. E para chegar a isso, é necessário esvaziar-se de muitos conceitos e ideias pré-existentes.


Lúcia Helena Galvão – “Conheça as sete leis que regem o universo”

Filósofa e professora aclamada, ela trouxe informações de Caibalion com suas máximas herméticas como modelo de conhecimento interno. A evolução, segundo ela, nada mais é do que corresponder a um ideal.

“Se você aprende que a vida não é caos, mas sim o cosmo, que há correspondência entre as coisas, que tudo se move, há vibração, você já entende profundamente o todo”.

Lúcia Helena destaca ainda a polaridade, o ritmo, causa e efeito e gênero como parte das sete leis de regência do universo. Ela foi a única palestrante pela segunda vez no Congresso Brasileiro de Autoconhecimento (Vida!).


Allan Dias Castro e Tiago Corrêa – “Autoconfiança”

A dupla de amigos que fundou o Reverb apresentou música e poesia para falar da “maldição em ser feliz”. Alguém que você gosta, tem vergonha do que você é? Com enfrentamentos, videografismos e canções de qualidade, eles fizeram o público se encantar com a criatividade em apresentar os temas relacionados à autoconfiança.

“O que é pior: desistir do que quer ou se contentar com o que nunca quis?” dizia o refrão de uma das músicas.

Tiago e Allan apontaram ainda sobre a importância de manter viva a criança dentro de cada um e questionaram situações como se houve ou não interferência em se tornar o que se tornou na vida adulta. Os músicos-palestrantes ainda instigaram que conhecer o caminho nos leva sempre ao mesmo lugar. E é aí que mora o marasmo.


Helder Kamei – “Três caminhos cientificamente comprovados para a felicidade”

Psicólogo estudioso da psicologia positiva e presidente da Associação da Psicologia Positiva para a América Latina, Kamei é uma sumidade na área e arrasta multidões ao facilitar o conhecimento comprovado por meio de experimentos em todo o planeta. Ao conectar a tríade da vida (prazerosa, engajada e significativa) ao cenário corporativo, apontou como buscar a felicidade tanto no campo pessoal quanto no profissional.

Precisamos aumentar a frequência de emoções positivas como gratidão e serenidade, ter um estado de fluidez da mente e servir a uma causa. Se conseguir os três, você terá uma vida plena”, ressaltou ele no palco para a multidão.

As pesquisas científicas apontam as 10 emoções positivas principais (alegria, serenidade, gratidão, orgulho, diversão, admiração, inspiração e amor) e mostram também a importância do equilíbrio emocional, de 75% dos momentos positivos para apenas 25% negativo.

“Isso é um hábito que pode ser criado, por meio de técnicas e percepção do seu dia a dia. Em termos de trabalho, seria, por exemplo, seis horas de boas sensações para apenas duas de momentos não tão positivos. Colocar no papel e identificar para se policiar depois é um grande passo”, comenta.


Isabel Cristina Otto – “O caminho realização pessoal e o encontro de seus propósitos”

A estudiosa moradora da Serra Catarinense acredita na espiritualidade como um chamamento interno, um passo que cada um de nós encontra por conta própria.

“A melhor coisa para fazer ao outro é se melhorar. Pare de querer salvar os outros, cuide primeiro de você”, pontua.

Ela considera muito importante parar de se vitimar e acreditar na sabedoria interna do corpo. Prestar atenção no que se acredita, entendendo os nossos padrões e ouvir a inteligência do corpo através do coração (intuição e sincronicidade) é um caminho para manter o campo energético elevado e garantir uma prática diária que leva à felicidade, à cura e ao autoconhecimento.


Nila Costa – “Como está sua contribuição social”

Fotógrafa carioca e ativista das causas dos portadores da Síndrome de Down há três anos, desde que se descobriu grávida de uma filha com a trissomia no cromossomo 21, Nila já tem uma forte relevância ao conquistar espaço no Brasil e no Exterior com foco na divulgação da informação do tema para melhorar a vida tanto dos portadores quanto dos familiares. Numa palestra repleta de risos e lágrimas, emoções e reconhecimentos, ela mostrou sua trajetória com passagens importantes em eventos de Brasília, Miami e Nova York, bem como deixou claro seus objetivos enquanto mãe e mulher ativista da causa e criadora do projeto Let Me Be (Deixe me ser).

“Quero ser fonte de informação, levar tranquilidade e amor principalmente aos pais ainda carentes sobre que tipo de vida levar com seus filhos Down. Na realidade, apenas deixar claro que são puro amor e têm condições de uma vida como outra qualquer”.


Carolina Cassiano e Sven Frölich – “O poder da comunicação não violenta”

O casal formado pela brasileira e pelo alemão viaja o mundo reforçando a importância do entendimento de que uma comunicação pode ser mais efetiva quando não abordada sem empatia, sem entendimento das causas e efeitos.

“O grande problema do ser humano é o julgamento, que nos tira a capacidade de ver humanidade nos outros e acaba sendo o culpado por gerar mal-estar nas relações”, comenta Carolina.

Eles acentuam a importância em estar apto para as mudanças, transformar a intenção buscando a compreensão múltipla, enxergar a realidade observando os fatos e não os julgamentos e desenvolver a independência emocional. Situações governamentais e até orientações em exércitos internacionais estão no currículo da dupla que fez sua apresentação no Congresso Vida!


Eduardo Maróstica – “Mudança de mindset”

O pós-doutor e conceituadíssimo professor de entidades como a Fundação Getúlio Vargas (FGV), Maróstica trouxe a necessidade de sermos mais tolerantes e nos perdoar mais como peça-fundamental no processo de mudança de mindset.

“Querer fazer a diferença e agir é o que garante o virar de chave”.

Novamente o tema não cobrar tanto do outro, oferecendo o melhor de si próprio, com muita força mental e descoberta de que a glória está dentro de cada um veio à tona. Para o especialista, mudar os hábitos descartando os ruins, ter visão expandida e sair da zona de conforto garantem novas reflexões.

“Atitude é o que importa. E aja agora, não espere pelos outros, pelo melhor cenário, pelas mudanças que estão é dentro de você”, complementa.


Fonte: Oficina das Palavras


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade