Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Esportes
Inter vence o Cruzeiro no Mineirão e fica a um empate da final da Copa do Brasil
Quinta, 8/8/2019 6:50.

Publicidade

Wilson Baldini Jr.
Com organização tática, frieza e precisão, o Internacional derrotou o Cruzeiro, nesta quarta-feira, por 1 a 0, no Mineirão, pelo jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil. Com o resultado, o time gaúcho joga por um empate, em 4 de setembro, no Beira-Rio, em Porto Alegre, para conseguir a vaga na decisão. A outra semifinal começa a ser disputada, dia 11, quando o Grêmio recebe o Athletico-PR, em Porto Alegre.

Vencedor das duas últimas edições da Copa do Brasil, o Cruzeiro somou o oitavo jogo sem vitória e sem conseguir marcar um gol. Nas 18 últimas partidas, a equipe de Mano Menezes só ganhou uma vez. Pressionado, o treinador, que já entregou o cargo na semana passada, mas foi convencido pela diretoria a permanecer, agora corre o risco de ser demitido.

Os times começaram com respeito mútuo. As defesas, bem postadas, conseguiram parar os ataques com certa facilidade. Para um duelo de semifinal de um torneio nacional, os primeiros 45 minutos foram decepcionantes.

O destaque do lado gaúcho foi o volante Edenílson, ao esbanjar preparo físico, o que deu mobilidade para a equipe do técnico Odair Hellmann. Com isso, o Inter chegou com mais facilidade na área de Fábio.

Muito bem armado taticamente, o Inter concentrou a marcação sobre o hábil e veloz Pedro Rocha. Em pelo menos duas oportunidades, a defesa gaúcha disponibilizou três jogadores para parar o atacante mineiro.

Na frente, Rafael Sóbis foi importante com sua experiência para segurar a bola e iniciar as jogadas. Na melhor delas, Guerrero encontrou Uendel pela esquerda. O lateral cruzou bem, mas Dodô salvou, aos 41 minutos.

O Cruzeiro sofreu com a lentidão de Henrique e Ariel Cabral. Thiago Neves ficou isolado perto da área, mas não conseguiu municiar Pedro Rocha e Sassá. A alternativa de Mano Menezes foi abusar das bolas alçadas na área. Sassá conseguiu levar perigo duas vezes, mas errou na finalização em ambas.

No setor defensivo, Dedé pareceu nervoso, principalmente depois de levar o cartão amarelo, aos 14 minutos, após uma falta em Rafael Sóbis. Os laterais Orejuela e Dodô sofreram com as investidas da equipe gaúcha.

O segundo tempo começou em ritmo acelerado. E por causa do Cruzeiro, que se apresentou com postura muito mais ofensiva. A marcação mineira passou a ser intensa no campo do adversário.

Logo a um minuto, Thiago Neves surgiu livre na área, mas chutou para fora. Aos cinco, Sassá foi travado por Victor Cuesta. Aos 13, Henrique arriscou de longe e Marcelo Lomba fez boa defesa. O desempenho mineiro só não foi melhor porque Thiago Neves não esteve em uma noite inspirada.

O Inter, se não fosse um chute de Patrick, que desviou na zaga, teria passado todos os dez primeiros minutos da etapa final em seu campo. Percebendo tanta dificuldade da equipe, Hellmann trocou Nico López por Wellington Silva. O time ganhou mais presença pelo lado direito do ataque.

Mano Menezes também mudou o Cruzeiro. Apesar de todo o esforço, Sassá acabou substituído por Fred, que carregava um jejum de 15 jogos, apesar de ser o artilheiro do time na temporada, com 16 gols.

Mas quem quase abriu o placar foi o Inter, com duas chances em um minuto. Na primeira, Wellington Silva tabelou com Edenílson e bateu forte para grande defesa de Fábio. Na jogada seguinte, Patrick cruzou e Guerrero desviou em nova intervenção do goleiro do Cruzeiro.

O gol estava maduro e saiu aos 30 minutos. Guerrero bateu bem uma falta da intermediária. Fabio fez grande defesa, mas Edenílson surgiu como um raio para fazer 1 a 0, para delírio dos cerca de dois mil colorados no Mineirão.

O gol acabou com a confiança do Cruzeiro, que, nervoso, não conseguiu armar mais nenhuma jogada. O único lance de perigo surgiu aos 44 minutos, após chute de longa distância de Pedro Rocha. O Inter soube se fechar e segurar a posse de bola para garantir um grande resultado.

Os times voltarão a jogar no domingo, pelo Brasileirão. O Inter receberá o Corinthians no Beira-Rio e o Cruzeiro vai visitar o Avaí na Ressacada.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 0 X 1 INTERNACIONAL

CRUZEIRO - Fábio; Orejuela, Dedé, Léo e Dodô; Henrique, Ariel Cabral (Maurício), Robinho (Marquinhos Gabriel) e Thiago Neves; Pedro Rocha e Sassá (Fred). Técnico: Mano Menezes.

INTERNACIONAL - Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenílson (Nonato), Patrick e Nico López (Wellington Silva); Paolo Guerrero e Rafael Sóbis (Sarrafiore). Técnico: Odair Hellmann.

GOL - Edenílson, aos 30 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Luiz Flávio de Oliveira (SP).

CARTÕES AMARELOS - Dedé e Rafael Sóbis.

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Mineirão, em Belo Horizonte (MG).
 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Destaques

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Inter vence o Cruzeiro no Mineirão e fica a um empate da final da Copa do Brasil

Publicidade

Quinta, 8/8/2019 6:50.

Wilson Baldini Jr.
Com organização tática, frieza e precisão, o Internacional derrotou o Cruzeiro, nesta quarta-feira, por 1 a 0, no Mineirão, pelo jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil. Com o resultado, o time gaúcho joga por um empate, em 4 de setembro, no Beira-Rio, em Porto Alegre, para conseguir a vaga na decisão. A outra semifinal começa a ser disputada, dia 11, quando o Grêmio recebe o Athletico-PR, em Porto Alegre.

Vencedor das duas últimas edições da Copa do Brasil, o Cruzeiro somou o oitavo jogo sem vitória e sem conseguir marcar um gol. Nas 18 últimas partidas, a equipe de Mano Menezes só ganhou uma vez. Pressionado, o treinador, que já entregou o cargo na semana passada, mas foi convencido pela diretoria a permanecer, agora corre o risco de ser demitido.

Os times começaram com respeito mútuo. As defesas, bem postadas, conseguiram parar os ataques com certa facilidade. Para um duelo de semifinal de um torneio nacional, os primeiros 45 minutos foram decepcionantes.

O destaque do lado gaúcho foi o volante Edenílson, ao esbanjar preparo físico, o que deu mobilidade para a equipe do técnico Odair Hellmann. Com isso, o Inter chegou com mais facilidade na área de Fábio.

Muito bem armado taticamente, o Inter concentrou a marcação sobre o hábil e veloz Pedro Rocha. Em pelo menos duas oportunidades, a defesa gaúcha disponibilizou três jogadores para parar o atacante mineiro.

Na frente, Rafael Sóbis foi importante com sua experiência para segurar a bola e iniciar as jogadas. Na melhor delas, Guerrero encontrou Uendel pela esquerda. O lateral cruzou bem, mas Dodô salvou, aos 41 minutos.

O Cruzeiro sofreu com a lentidão de Henrique e Ariel Cabral. Thiago Neves ficou isolado perto da área, mas não conseguiu municiar Pedro Rocha e Sassá. A alternativa de Mano Menezes foi abusar das bolas alçadas na área. Sassá conseguiu levar perigo duas vezes, mas errou na finalização em ambas.

No setor defensivo, Dedé pareceu nervoso, principalmente depois de levar o cartão amarelo, aos 14 minutos, após uma falta em Rafael Sóbis. Os laterais Orejuela e Dodô sofreram com as investidas da equipe gaúcha.

O segundo tempo começou em ritmo acelerado. E por causa do Cruzeiro, que se apresentou com postura muito mais ofensiva. A marcação mineira passou a ser intensa no campo do adversário.

Logo a um minuto, Thiago Neves surgiu livre na área, mas chutou para fora. Aos cinco, Sassá foi travado por Victor Cuesta. Aos 13, Henrique arriscou de longe e Marcelo Lomba fez boa defesa. O desempenho mineiro só não foi melhor porque Thiago Neves não esteve em uma noite inspirada.

O Inter, se não fosse um chute de Patrick, que desviou na zaga, teria passado todos os dez primeiros minutos da etapa final em seu campo. Percebendo tanta dificuldade da equipe, Hellmann trocou Nico López por Wellington Silva. O time ganhou mais presença pelo lado direito do ataque.

Mano Menezes também mudou o Cruzeiro. Apesar de todo o esforço, Sassá acabou substituído por Fred, que carregava um jejum de 15 jogos, apesar de ser o artilheiro do time na temporada, com 16 gols.

Mas quem quase abriu o placar foi o Inter, com duas chances em um minuto. Na primeira, Wellington Silva tabelou com Edenílson e bateu forte para grande defesa de Fábio. Na jogada seguinte, Patrick cruzou e Guerrero desviou em nova intervenção do goleiro do Cruzeiro.

O gol estava maduro e saiu aos 30 minutos. Guerrero bateu bem uma falta da intermediária. Fabio fez grande defesa, mas Edenílson surgiu como um raio para fazer 1 a 0, para delírio dos cerca de dois mil colorados no Mineirão.

O gol acabou com a confiança do Cruzeiro, que, nervoso, não conseguiu armar mais nenhuma jogada. O único lance de perigo surgiu aos 44 minutos, após chute de longa distância de Pedro Rocha. O Inter soube se fechar e segurar a posse de bola para garantir um grande resultado.

Os times voltarão a jogar no domingo, pelo Brasileirão. O Inter receberá o Corinthians no Beira-Rio e o Cruzeiro vai visitar o Avaí na Ressacada.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 0 X 1 INTERNACIONAL

CRUZEIRO - Fábio; Orejuela, Dedé, Léo e Dodô; Henrique, Ariel Cabral (Maurício), Robinho (Marquinhos Gabriel) e Thiago Neves; Pedro Rocha e Sassá (Fred). Técnico: Mano Menezes.

INTERNACIONAL - Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenílson (Nonato), Patrick e Nico López (Wellington Silva); Paolo Guerrero e Rafael Sóbis (Sarrafiore). Técnico: Odair Hellmann.

GOL - Edenílson, aos 30 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Luiz Flávio de Oliveira (SP).

CARTÕES AMARELOS - Dedé e Rafael Sóbis.

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Mineirão, em Belo Horizonte (MG).
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Destaques