Jornal Página 3
Coluna
Dedo na Moleira
Por Waldemar Cezar Neto

Viaje para sentir saudades de Balneário Camboriú

Tiramos dois dias de férias na semana passada (terça e quarta-feira) e andamos aqui por perto conhecendo melhor algumas cidades.

Navegantes, o portão de entrada para quem chega de avião ao Litoral Norte e Vale Europeu, resumindo em poucas palavras, é uma vergonha.

A cidade que vem experimentando enorme crescimento econômico, padece há décadas de administrações municipais medíocres, incapazes de sinalizar as ruas, tapar buracos, fazer calçadas arborizar... enfeitar os espaços públicos.

A imagem acima é próxima ao aeroporto, quem embarca e desembarca passa por aí.

Dali fomos à Armação do Itapocorói, em Penha, cidade um pouco mais cuidada, mas levamos azar com os hotéis. O que eu reservei pelo Booking descobri, ao chegar lá, que estava fechado. Ficamos em outro onde do chuveiro caia um filete e o sanitário era quase impossível de usar porque algum asno encostou o vaso à parede.

A saudade de Balneário Camboriú só aumentava quando desistimos dos mosquitos de Penha e fomos a Balneário Piçarras, essa sim uma beleza de cidade.

Beira de praia arborizada, sombra maravilhosa, bolinhos, iscas de peixe e cervejas a preço honesto (anote aí, Restaurante Tampa, tem 40 anos).

Tem um pessoalzinho chinelagem que veio do Cafundó do Judas morar em Balneário Camboriú e vive esculhambando com a cidade. Vai viajar, vai conhecer outros lugares e garanto que sentirá saudades daqui, não tem lugar melhor no mundo. 

 
 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 06/02/2020 às 12h41 | waldemar@camboriu.com.br

Apartamentos pequenos e prédios altos na Interpraias é estupidez

Interesses ainda não claramente identificados querem alterar a legislação para permitir edifícios de 5 andares e apartamentos pequenos na Interpraias, medidas que permitirão a construção de pombais naquela região que deveria ter um desenvolvimento sustentável, não predatório como está proposto.

É um erro que pode inchar a Interpraias com até 80.000 moradores, liquidando de vez com qualquer perspectiva de fazer daquela região um destino turístico de excelência e equilíbrio ambiental.

Construir apartamentos menores é perfeitamente possível, desde que em quantidade limitada e inseridos em estruturas de hotelaria, escritórios e comércio, como tem acontecido em diversas cidades.

Não fizeram estudos qualificados, se basearam em palpites de quem se diz mas nunca foi urbanista, para propor algo que na verdade tem até cheiro de imoralidade.
 

 

 

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 15/01/2020 às 13h46 | waldemar@camboriu.com.br

Os macaquinhos amestrados da Mariana Dalvesco

Porque o Página 3 publicou reportagem, escrita por mim, criticando três containers colocados sobre a faixa de areia da praia central, foi alvo de uma enxurrada de críticas, em grande parte de nomeados em cargos de confiança na prefeitura municipal.

A responsável pela licitação é Mariana Dalvesco, chefe dos esportes no município.

Eu escrevi que a licitação para aquele trambolho foi feita às pressas e foi mesmo, embora tivessem o ano todo para fazê-lo licitaram em novembro e como não houve interessado licitaram novamente em dezembro.

A chefe dos esportes do município, numa demonstração de que não sabia o que estava fazendo, especificou na licitação que o “trambolho” deveria servir de suporte a uma competição de surfe.

Na Tamandaré não tem competições de surfe, o pico do surfe é na Galeria Maxim, mas quando quem não entende se mete a fazer o resultado é o ridículo.

Em dezembro, na segunda licitação, alguém deve ter dito “olha, isso é ridículo” e aí publicaram uma errata eliminando o tal surfe do trambolho.

Macaquinhos amestrados não me assustam nem me constrangem, acho aquela porcaria que colocaram na areia um abuso com Balneário Camboriú, coisa de quem não pensa, não planeja, faz aos trambolhões.

 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 13/01/2020 às 08h56 | waldemar@camboriu.com.br

Luciano da Havan tem razão, o podotátil é inútil

O Luciano da Havan foi alvo de nota de repúdio do Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência de Balneário Camboriú por ter dito o óbvio: a sinalização podotátil (para ajudar cegos a se locomoverem) é inútil da forma como é exigida em nossa cidade.

Foi uma lei burra do ex-vereador Edson Piriquito que quando prefeito durante oito anos nunca se preocupou em aperfeiçoá-la ou exigir seu cumprimento de maneira adequada.

Na calçada da praia da Avenida Atlântica, por exemplo, não tem podotátil, mas a prefeitura exige que todos os moradores, em todas as ruas, instalem a sinalização.

Raramente caminham cegos na maioria das ruas da cidade e aqueles que caminharem certamente serão vítimas de grave acidente.

A prefeitura se preocupou em criar lei, mas não em fiscalizá-la o que levou a um festival de asneiras, verdadeiras armadilhas para os cegos.

Não precisei ir longe, caminhei 100 metros da minha casa para encontrar isso (e essa belíssima árvore que o dono teve a sapiência de não remover).


É hora de rever a lei do podotátil, ele deveria ser colocado em apenas um lado das ruas, reservando o outro para arborização.

Decidir qual lado da rua deve receber o podotátil é assunto para engenheiros e arquitetos, eles sabem constuir o que o Edson Kratz chamou de "Caminhos Urbanos", conceito que pode ser adotado à mobilidade dos cegos.

Em vez de nota de repúdio o Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência de Balneário Camboriú poderia investir tempo liderando um movimento sério para rever a lei de desarmar as armadilhas para cegos que se espalham por toda a cidade e propor a construção de algo novo.

Quem sabe usando smartphones, beacons (sinalizadores por bluetooth) e a massa cinzenta que fica nessa caixa acima do pescoço? 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 22/12/2019 às 09h11 | waldemar@camboriu.com.br

A praia é sagrada

Dois episódios com diferença de poucas horas entre si mostraram como é complicado fazer antes de pensar. No primeiro, colocaram uma estrambólica rampa de concreto na areia da praia, para dar acesso aos caminhões da limpeza. No segundo evento, desfile de tratores e caminhões na faixa de areia, às 9h30 de um domingo, circulando entre adultos e crianças.

A praia é sagrada 2
Não adianta sugerir que estão errados, eles acreditam que estão certos, são os donos da verdade, mesmo quando esta certeza rende uma enxurrada de críticas e de gente dizendo que nunca mais votará no novas ideias.

A praia é sagrada 3
Conseguiram fazer as barbeiragens num momento em que deveriam estar comemorando o asfaltamento da 3100, da 3700, da Atlântica… às vezes eu acho que muitos no governo Fabrício trabalham para a oposição.

A praia é sagrada 4
O desrespeito à praia é histórico, desde o governo Pavan quando multiplicaram os pontos de milho na base do “me dá um voto aí”; comeram parte da faixa de areia com quiosques e permitiram a multiplicação das cancha de bocha. Nem vamos citar a máfia dos alvarás para ambulantes, mas quem tem memória sabe do que estou falando.

Talvez vá
Auri Pavoni continua sem definir o que quer na vida, me disse hoje que “talvez” ingresse no novo partido do Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil.

Talvez vá 2
O Aliança pelo Brasil, supostamente sucessor do PSL aqui na praia, terá diversos pré-candidatos a prefeito, não sei exatamente como que o Auri abrirá seu espaço.

Talvez vá 3
De qualquer forma o meu amigo Auri num partido de extrema direita é um piada pronta porque ele é assessor especial do Volnei Morastoni, militante histórico do PT, portanto comunista comedor de criancinhas pelo ideário bolsonarista.

Talvez vá 4
Tem ainda que o ambiente no PSL e outros movimentos políticos mais à direita em Balneário Camboriú não anda pacífico. “Alguns são direita demais, se tornaram um estorvo” comentou um integrante da tchurma.

No finzinho
O julgamento da cassação de Asinil Medeiros pelo plenário da Câmara de Balneário Camboriú deverá acontecer nas últimas sessões do ano, quando as pessoas estarão mais interessadas em Natal do que em julgamentos por corrupção.

No finzinho 2
A bola de cristal mostra possível empate na votação da perda de mandato, o que coloca o abacaxi de decidir com o voto de Minerva no colo do vereador Omar Tomalih, presidente da distinta Casa do Povo.

No finzinho 3
Talvez Omar comece a imaginar que no Oriente Médio, onde ele viveu e estudou alguns anos, seja mais calmo do que a nossa política local.

O amigo Damião
Os vereadores Omar Tomalih, Elizeu Pereira e Nena Amorim se reuniram em Brasília com o deputado federal Damião Feliciano para discutir a implantação do Conselho de Comunicação Social da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú.

O amigo Damião 2
Nossos vereadores deveriam evitar as más companhias. No ano passado a Justiça Federal da Paraíba suspendeu as atividades da Rádio Santa Rita, pertencente a Damião Feliciano, porque a Constituição brasileira proíbe que deputados e senadores façam parte do quadro societário de emissoras de rádio. 

 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 09/12/2019 às 13h50 | waldemar@camboriu.com.br

Idiotas e larápios nos governam

O governo Bolsonaro propôs que o Fundo Eleitoral (dinheiro para financiar candidaturas) do ano que vem fosse R$ 2 bilhões, mas não satisfeito com tamanha imoralidade o Congresso Nacional quer R$ 3,8 bilhões.

Enquanto temos 13 milhões de desempregados um Congresso de patifes acha normal gastar R$ 3,8 bilhões do dinheiro público em campanha eleitoral.

Na eleição do ano passado o Senado foi renovado em 87% e a Câmara dos deputados em 52%, mas não adiantou nada, a prática de meter a mão na coisa pública continuou.

No PSL, partido pelo qual o presidente Bolsonaro foi eleito, 20 dos 53 deputados federais apresentaram notas frias para justificar despesas.

Roubando já de cara… aliás antes de eleitos, com a história dos laranjal eleitoral.

Se o partido que ia mudar o Brasil está repleto de desonestos, como esperar algo dos demais? Afinal PMDB, PL, PP, PT, PSDB e outros têm em suas fileiras ladrões contumazes, figurinhas queimadas no mercado da honestidade.

Agora o Congresso resolveu extorquir Bolsonaro, deixando de votar coisas boas para a nação enquanto outras coisas boas não caírem nos bolsos ou currais eleitorais de deputados e senadores.

Nesse meio tempo a Ministra Damares diz que no casamento a mulher deve ser submissa ao homem o que me leva a crer que somos um país comandado por idiotas e larápios.

 

 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 04/12/2019 às 11h54 | waldemar@camboriu.com.br



1 2 3 4 5 6

Waldemar Cezar Neto

Assina a coluna Dedo na Moleira

Lê, pesca, cozinha, escreve e é diretor chefe do Jornal Página 3.














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Dedo na Moleira
Por Waldemar Cezar Neto

Viaje para sentir saudades de Balneário Camboriú

Tiramos dois dias de férias na semana passada (terça e quarta-feira) e andamos aqui por perto conhecendo melhor algumas cidades.

Navegantes, o portão de entrada para quem chega de avião ao Litoral Norte e Vale Europeu, resumindo em poucas palavras, é uma vergonha.

A cidade que vem experimentando enorme crescimento econômico, padece há décadas de administrações municipais medíocres, incapazes de sinalizar as ruas, tapar buracos, fazer calçadas arborizar... enfeitar os espaços públicos.

A imagem acima é próxima ao aeroporto, quem embarca e desembarca passa por aí.

Dali fomos à Armação do Itapocorói, em Penha, cidade um pouco mais cuidada, mas levamos azar com os hotéis. O que eu reservei pelo Booking descobri, ao chegar lá, que estava fechado. Ficamos em outro onde do chuveiro caia um filete e o sanitário era quase impossível de usar porque algum asno encostou o vaso à parede.

A saudade de Balneário Camboriú só aumentava quando desistimos dos mosquitos de Penha e fomos a Balneário Piçarras, essa sim uma beleza de cidade.

Beira de praia arborizada, sombra maravilhosa, bolinhos, iscas de peixe e cervejas a preço honesto (anote aí, Restaurante Tampa, tem 40 anos).

Tem um pessoalzinho chinelagem que veio do Cafundó do Judas morar em Balneário Camboriú e vive esculhambando com a cidade. Vai viajar, vai conhecer outros lugares e garanto que sentirá saudades daqui, não tem lugar melhor no mundo. 

 
 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 06/02/2020 às 12h41 | waldemar@camboriu.com.br

Apartamentos pequenos e prédios altos na Interpraias é estupidez

Interesses ainda não claramente identificados querem alterar a legislação para permitir edifícios de 5 andares e apartamentos pequenos na Interpraias, medidas que permitirão a construção de pombais naquela região que deveria ter um desenvolvimento sustentável, não predatório como está proposto.

É um erro que pode inchar a Interpraias com até 80.000 moradores, liquidando de vez com qualquer perspectiva de fazer daquela região um destino turístico de excelência e equilíbrio ambiental.

Construir apartamentos menores é perfeitamente possível, desde que em quantidade limitada e inseridos em estruturas de hotelaria, escritórios e comércio, como tem acontecido em diversas cidades.

Não fizeram estudos qualificados, se basearam em palpites de quem se diz mas nunca foi urbanista, para propor algo que na verdade tem até cheiro de imoralidade.
 

 

 

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 15/01/2020 às 13h46 | waldemar@camboriu.com.br

Os macaquinhos amestrados da Mariana Dalvesco

Porque o Página 3 publicou reportagem, escrita por mim, criticando três containers colocados sobre a faixa de areia da praia central, foi alvo de uma enxurrada de críticas, em grande parte de nomeados em cargos de confiança na prefeitura municipal.

A responsável pela licitação é Mariana Dalvesco, chefe dos esportes no município.

Eu escrevi que a licitação para aquele trambolho foi feita às pressas e foi mesmo, embora tivessem o ano todo para fazê-lo licitaram em novembro e como não houve interessado licitaram novamente em dezembro.

A chefe dos esportes do município, numa demonstração de que não sabia o que estava fazendo, especificou na licitação que o “trambolho” deveria servir de suporte a uma competição de surfe.

Na Tamandaré não tem competições de surfe, o pico do surfe é na Galeria Maxim, mas quando quem não entende se mete a fazer o resultado é o ridículo.

Em dezembro, na segunda licitação, alguém deve ter dito “olha, isso é ridículo” e aí publicaram uma errata eliminando o tal surfe do trambolho.

Macaquinhos amestrados não me assustam nem me constrangem, acho aquela porcaria que colocaram na areia um abuso com Balneário Camboriú, coisa de quem não pensa, não planeja, faz aos trambolhões.

 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 13/01/2020 às 08h56 | waldemar@camboriu.com.br

Luciano da Havan tem razão, o podotátil é inútil

O Luciano da Havan foi alvo de nota de repúdio do Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência de Balneário Camboriú por ter dito o óbvio: a sinalização podotátil (para ajudar cegos a se locomoverem) é inútil da forma como é exigida em nossa cidade.

Foi uma lei burra do ex-vereador Edson Piriquito que quando prefeito durante oito anos nunca se preocupou em aperfeiçoá-la ou exigir seu cumprimento de maneira adequada.

Na calçada da praia da Avenida Atlântica, por exemplo, não tem podotátil, mas a prefeitura exige que todos os moradores, em todas as ruas, instalem a sinalização.

Raramente caminham cegos na maioria das ruas da cidade e aqueles que caminharem certamente serão vítimas de grave acidente.

A prefeitura se preocupou em criar lei, mas não em fiscalizá-la o que levou a um festival de asneiras, verdadeiras armadilhas para os cegos.

Não precisei ir longe, caminhei 100 metros da minha casa para encontrar isso (e essa belíssima árvore que o dono teve a sapiência de não remover).


É hora de rever a lei do podotátil, ele deveria ser colocado em apenas um lado das ruas, reservando o outro para arborização.

Decidir qual lado da rua deve receber o podotátil é assunto para engenheiros e arquitetos, eles sabem constuir o que o Edson Kratz chamou de "Caminhos Urbanos", conceito que pode ser adotado à mobilidade dos cegos.

Em vez de nota de repúdio o Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência de Balneário Camboriú poderia investir tempo liderando um movimento sério para rever a lei de desarmar as armadilhas para cegos que se espalham por toda a cidade e propor a construção de algo novo.

Quem sabe usando smartphones, beacons (sinalizadores por bluetooth) e a massa cinzenta que fica nessa caixa acima do pescoço? 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 22/12/2019 às 09h11 | waldemar@camboriu.com.br

A praia é sagrada

Dois episódios com diferença de poucas horas entre si mostraram como é complicado fazer antes de pensar. No primeiro, colocaram uma estrambólica rampa de concreto na areia da praia, para dar acesso aos caminhões da limpeza. No segundo evento, desfile de tratores e caminhões na faixa de areia, às 9h30 de um domingo, circulando entre adultos e crianças.

A praia é sagrada 2
Não adianta sugerir que estão errados, eles acreditam que estão certos, são os donos da verdade, mesmo quando esta certeza rende uma enxurrada de críticas e de gente dizendo que nunca mais votará no novas ideias.

A praia é sagrada 3
Conseguiram fazer as barbeiragens num momento em que deveriam estar comemorando o asfaltamento da 3100, da 3700, da Atlântica… às vezes eu acho que muitos no governo Fabrício trabalham para a oposição.

A praia é sagrada 4
O desrespeito à praia é histórico, desde o governo Pavan quando multiplicaram os pontos de milho na base do “me dá um voto aí”; comeram parte da faixa de areia com quiosques e permitiram a multiplicação das cancha de bocha. Nem vamos citar a máfia dos alvarás para ambulantes, mas quem tem memória sabe do que estou falando.

Talvez vá
Auri Pavoni continua sem definir o que quer na vida, me disse hoje que “talvez” ingresse no novo partido do Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil.

Talvez vá 2
O Aliança pelo Brasil, supostamente sucessor do PSL aqui na praia, terá diversos pré-candidatos a prefeito, não sei exatamente como que o Auri abrirá seu espaço.

Talvez vá 3
De qualquer forma o meu amigo Auri num partido de extrema direita é um piada pronta porque ele é assessor especial do Volnei Morastoni, militante histórico do PT, portanto comunista comedor de criancinhas pelo ideário bolsonarista.

Talvez vá 4
Tem ainda que o ambiente no PSL e outros movimentos políticos mais à direita em Balneário Camboriú não anda pacífico. “Alguns são direita demais, se tornaram um estorvo” comentou um integrante da tchurma.

No finzinho
O julgamento da cassação de Asinil Medeiros pelo plenário da Câmara de Balneário Camboriú deverá acontecer nas últimas sessões do ano, quando as pessoas estarão mais interessadas em Natal do que em julgamentos por corrupção.

No finzinho 2
A bola de cristal mostra possível empate na votação da perda de mandato, o que coloca o abacaxi de decidir com o voto de Minerva no colo do vereador Omar Tomalih, presidente da distinta Casa do Povo.

No finzinho 3
Talvez Omar comece a imaginar que no Oriente Médio, onde ele viveu e estudou alguns anos, seja mais calmo do que a nossa política local.

O amigo Damião
Os vereadores Omar Tomalih, Elizeu Pereira e Nena Amorim se reuniram em Brasília com o deputado federal Damião Feliciano para discutir a implantação do Conselho de Comunicação Social da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú.

O amigo Damião 2
Nossos vereadores deveriam evitar as más companhias. No ano passado a Justiça Federal da Paraíba suspendeu as atividades da Rádio Santa Rita, pertencente a Damião Feliciano, porque a Constituição brasileira proíbe que deputados e senadores façam parte do quadro societário de emissoras de rádio. 

 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 09/12/2019 às 13h50 | waldemar@camboriu.com.br

Idiotas e larápios nos governam

O governo Bolsonaro propôs que o Fundo Eleitoral (dinheiro para financiar candidaturas) do ano que vem fosse R$ 2 bilhões, mas não satisfeito com tamanha imoralidade o Congresso Nacional quer R$ 3,8 bilhões.

Enquanto temos 13 milhões de desempregados um Congresso de patifes acha normal gastar R$ 3,8 bilhões do dinheiro público em campanha eleitoral.

Na eleição do ano passado o Senado foi renovado em 87% e a Câmara dos deputados em 52%, mas não adiantou nada, a prática de meter a mão na coisa pública continuou.

No PSL, partido pelo qual o presidente Bolsonaro foi eleito, 20 dos 53 deputados federais apresentaram notas frias para justificar despesas.

Roubando já de cara… aliás antes de eleitos, com a história dos laranjal eleitoral.

Se o partido que ia mudar o Brasil está repleto de desonestos, como esperar algo dos demais? Afinal PMDB, PL, PP, PT, PSDB e outros têm em suas fileiras ladrões contumazes, figurinhas queimadas no mercado da honestidade.

Agora o Congresso resolveu extorquir Bolsonaro, deixando de votar coisas boas para a nação enquanto outras coisas boas não caírem nos bolsos ou currais eleitorais de deputados e senadores.

Nesse meio tempo a Ministra Damares diz que no casamento a mulher deve ser submissa ao homem o que me leva a crer que somos um país comandado por idiotas e larápios.

 

 

 

 
Escrito por Waldemar Cezar Neto, 04/12/2019 às 11h54 | waldemar@camboriu.com.br



1 2 3 4 5 6

Waldemar Cezar Neto

Assina a coluna Dedo na Moleira

Lê, pesca, cozinha, escreve e é diretor chefe do Jornal Página 3.