Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

PSDB condiciona apoio a Temer ao avanço de reformas no Congresso
Antônio Cruz/ AB.

IGOR GIELOW
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O PSDB, maior aliado do governo Michel Temer, decidiu condicionar o apoio ao peemedebista ao avanço da agenda de reformas no Congresso.

Até porque perdeu seu presidente, senador Aécio Neves (MG), na esteira da delação da JBS, o partido preferiu embicar o discurso extraoficial para a economia, pedra de toque de seu apoio desde o começo do governo Temer.

O primeiro teste será a discussão da reforma trabalhista no Senado. Inicialmente marcada para terça-feira (23), a sessão na Comissão de Assuntos Econômicos havia sido adiada pelo relator da reforma, Ricardo Ferraço (PSDB-ES). Líderes tucanos, reunidos nesta sexta (19) no apartamento do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em São Paulo, decidiram que o assunto tem de voltar à pauta.

A comissão é liderada pelo novo presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), que aqui e ali é ventilado como um presidenciável no caso de Temer cair e ser realizada a constitucionalmente prevista eleição indireta para o Planalto. A ideia é dar ao trâmite uma resposta institucional de apoio à agenda reformista de Temer, evitando personalizar isso num apoio ao presidente.

A cúpula tucana, devidamente abalada pela delação da JBS não só contra Aécio, mas pelo já abatido senador José Serra (SP), busca assim firmar uma imagem de responsabilidade econômica em meio à turbulência. Mas, como relata um de seus membros, o partido está atento a novidades jurídicas envolvendo Temer para reavaliar sua posição.

O PSDB está rachado sobre o tema. Sua bancada na Câmara quer o desembarque imediato do governo, mas foi vencida por ora pelos senadores e caciques extra-Congresso da sigla. Como afirmou um membro do primeiro grupo, "qualquer coisa a mais" contra o Planalto poderá mudar a situação.

O partido tem quatro ministros no governo, que em princípio ficarão no cargo -há o relato de que Luislinda Valois (Direitos Humanos) insiste em sair, mas a cúpula diz que ela vai ficar.

Do lado por ora dominante, um tucano disse que "se der para votar as reformas, vamos ficar", considerando que o desgaste ético da sigla já estaria precificado na derrocada de Aécio, afastado do mandato pelo Supremo Tribunal Federal e licenciado da chefia da agremiação.

A reforma trabalhista é vista como uma batalha mais simples para colher uma vitória simbólica. O problema mesmo está na discussão da mudança na Previdência, que foi aprovada em comissão especial na Câmara. Altamente impopular (71% dos brasileiros contra, diz o Datafolha), a reforma precisa ir a plenário na Câmara em dois turnos para aí migrar ao Senado.

Com o maremoto político em curso, poucos observadores acreditam que o Planalto terá musculatura para manter o leme deste barco específico no lugar e seguir com sua agenda. 


Sexta, 19/5/2017 18:15.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br