Jornal Página 3

Diretor da JBS diz em delação que Temer herdou R$ 15 milhões de conta de Mantega

Sexta, 19/5/2017 18:13.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O diretor da JBS Ricardo Saud disse, na sua delação premiada ao Ministério Público Federal (MPF), ter viabilizado pagamentos num total de R$ 15 milhões a pedido do presidente Michel Temer em 2014, quando ele ainda ocupava o cargo de vice-presidente.

O valor era proveniente de um "saldo" de negócios do grupo de Joesley Batista junto ao BNDES e era usado para financiar campanhas do PT.

Porém, após acerto com o então ministro da Fazenda Guido Mantega, que controlava o uso desses recursos, ficou acertado que R$ 15 milhões seriam repassados a destinatários indicados por Temer.

O PMDB era coligado ao PT em 2014, na chapa que concorria ao Palácio do Planalto e se saiu vencedora, elegendo Dilma Rousseff e Temer.

De acordo com Saud, delator da Lava Jato, ele foi a Brasília em 18 de agosto para avisar Temer que o montante seria liberado após acerto com Mantega.

No encontro ficaram acertaram os destinatários: R$ 1 milhão seria entregue em dinheiro no endereço da empresa Argeplan Arquitetura e Engenharia, em São Paulo. A Argeplan foi alvo de mandados de busca e apreensão nesta quinta-feira (18) durante a Operação Patmos. Um dos sócios da empresa é o coronel aposentado João Baptista Lima Filho, amigo pessoal de Temer.

A maior parte do dinheiro, R$ 9 milhões, seria paga de forma "dissimulada" como doações oficiais ao Diretório Nacional do PMDB por meio de cinco depósitos.

Saud conta ainda que o grupou repassou, via caixa 2, R$ 2 milhões à campanha de Paulo Skaf, presidente da Fiesp, ao governo de São Paulo pelo PMDB. De acordo com o delator, o valor foi pago à JEMC consultoria, ligada ao publicitário Duda Mendonça.

Os R$ 3 milhões restantes teriam sido enviados em dinheiro ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por meio do emissário Altair Alves Pinto.

AUTORIZAÇÃO

Inicialmente, Batista tinha acertado com Mantega o repasse de R$ 35 milhões a seis senadores do PMDB. Seriam R$ 8 milhões a Renan Calheiros (AL), R$ 2 milhões a Valdir Raupp (RO), R$ 8 milhões a Jader Barbalho (PA), R$ 8 milhões a Eduardo Braga (AM), R$ 8 milhões a Vital do Rêgo (Hoje ministro do TCU) e R$ 1 milhão ao PMDB do Tocantins.

Joesley pediu então que Saud procurasse Temer para falar sobre o acerto de recursos que seriam repassados do "saldo BNDES/Fundos" ao PMDB.

Ao procurar o então vice-presidente, Saud ouviu que era preciso cancelar a operação e aguardar que o peemedebista reassumisse o comando do partido, o que aconteceria "em breve". O dinheiro foi liberado pouco mais de um mês depois, com Temer já na presidência do PMDB. O repasse foi feito com a autorização de Mantega e era referente ao "saldo BNDES/Fundos". 


Publicidade


Colunistas
por Augusto Cesar Diegoli
por Carlos Mayer
por Enéas Athanázio
por Céres Fabiana Felski
por Marlise Schneider
por Fernando Baumann
Cidade

Trovoada foi rápida e intensa


Policia

Tititi, o dono, é uma lenda no mundo circense  


Empregos

Os rendimentos brutos iniciais ficam entre R$ 1,8 mil e R$ 3,1 mil


Geral

Média esperada para o mês era 186mm 


Cidade

Hoje a legislação não proíbe fazer churrasco ou feijoada na faixa de areia 


Cultura

Atração agrada moradores e turistas no verão


Cidade

Posse foi determinada por decisão judicial


Guia Legal BC

Cantora apresenta primeiro trabalho autoral em show gratuito no Teatro 


Guia Legal BC


Tecnologia

Portal tem opção de compartilhar o aluguel    


Justiça

Ele é filho do conhecido advogado Linésio Laus