Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

Diretor da JBS diz em delação que Temer herdou R$ 15 milhões de conta de Mantega

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O diretor da JBS Ricardo Saud disse, na sua delação premiada ao Ministério Público Federal (MPF), ter viabilizado pagamentos num total de R$ 15 milhões a pedido do presidente Michel Temer em 2014, quando ele ainda ocupava o cargo de vice-presidente.

O valor era proveniente de um "saldo" de negócios do grupo de Joesley Batista junto ao BNDES e era usado para financiar campanhas do PT.

Porém, após acerto com o então ministro da Fazenda Guido Mantega, que controlava o uso desses recursos, ficou acertado que R$ 15 milhões seriam repassados a destinatários indicados por Temer.

O PMDB era coligado ao PT em 2014, na chapa que concorria ao Palácio do Planalto e se saiu vencedora, elegendo Dilma Rousseff e Temer.

De acordo com Saud, delator da Lava Jato, ele foi a Brasília em 18 de agosto para avisar Temer que o montante seria liberado após acerto com Mantega.

No encontro ficaram acertaram os destinatários: R$ 1 milhão seria entregue em dinheiro no endereço da empresa Argeplan Arquitetura e Engenharia, em São Paulo. A Argeplan foi alvo de mandados de busca e apreensão nesta quinta-feira (18) durante a Operação Patmos. Um dos sócios da empresa é o coronel aposentado João Baptista Lima Filho, amigo pessoal de Temer.

A maior parte do dinheiro, R$ 9 milhões, seria paga de forma "dissimulada" como doações oficiais ao Diretório Nacional do PMDB por meio de cinco depósitos.

Saud conta ainda que o grupou repassou, via caixa 2, R$ 2 milhões à campanha de Paulo Skaf, presidente da Fiesp, ao governo de São Paulo pelo PMDB. De acordo com o delator, o valor foi pago à JEMC consultoria, ligada ao publicitário Duda Mendonça.

Os R$ 3 milhões restantes teriam sido enviados em dinheiro ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por meio do emissário Altair Alves Pinto.

AUTORIZAÇÃO

Inicialmente, Batista tinha acertado com Mantega o repasse de R$ 35 milhões a seis senadores do PMDB. Seriam R$ 8 milhões a Renan Calheiros (AL), R$ 2 milhões a Valdir Raupp (RO), R$ 8 milhões a Jader Barbalho (PA), R$ 8 milhões a Eduardo Braga (AM), R$ 8 milhões a Vital do Rêgo (Hoje ministro do TCU) e R$ 1 milhão ao PMDB do Tocantins.

Joesley pediu então que Saud procurasse Temer para falar sobre o acerto de recursos que seriam repassados do "saldo BNDES/Fundos" ao PMDB.

Ao procurar o então vice-presidente, Saud ouviu que era preciso cancelar a operação e aguardar que o peemedebista reassumisse o comando do partido, o que aconteceria "em breve". O dinheiro foi liberado pouco mais de um mês depois, com Temer já na presidência do PMDB. O repasse foi feito com a autorização de Mantega e era referente ao "saldo BNDES/Fundos". 


Sexta, 19/5/2017 18:13.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br