Jornal Página 3
Cidade

Desta vez será com hoteleiros e donos de restaurantes


Geral

Por sorte não houve feridos. Empresa emitiu nota sobre o ocorrido. 


Saúde

Organizações habilitadas poderão administrar hospital e unidades de pronto atendimento


Cidade

Ela quer propor a separação de resíduos em três níveis


Geral

Da praça Tamandaré até a praça das Figueiras  


Cidade

Supervisor dos agentes de trânsito solicita colaboração da população


Esportes

Equipe de atletismo da Fundação de Esportes se destacou


Geral


Empregos

Santa Catarina tem segundo melhor saldo de empregos no país em agosto


Publicidade


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

Bolsa sobe 1,7% e dólar cai 4% um dia após pânico que sacudiu mercados

(FOLHAPRESS) - O mercado brasileiro recuperou nesta sexta-feira (19) parte das perdas registradas no pregão de quinta-feira (18), quando delações envolvendo o presidente Michel Temer assustaram os investidores e criaram uma sensação de incerteza que derrubou a Bolsa e fez o dólar disparar no país.

O dólar comercial fechou o dia com queda de 3,92%, para R$ 3,257. O dólar à vista, que encerra os negócios mais cedo, recuou 2,53%, para R$ 3,288.

A Bolsa brasileira registrou valorização de 1,69%, para 62.639,30 pontos. O volume financeiro negociado foi de R$ 13,5 bilhões, acima da média diária do ano, que é de R$ 8,3 bilhões.

Um dia antes, o pânico generalizado imperava nos mercados de câmbio e ações do Brasil. As notícias de que um áudio gravado pelo empresário Joesley Batista, presidente da JBS, comprometeria Temer fez a Bolsa brasileira afundar 8,8% e acionar, pela primeira vez desde outubro de 2008, o mecanismo de circuit breaker, que interrompe as negociações.

O dólar, ativo a que os investidores recorrem em caso de incerteza, disparou 8%, para R$ 3,39. O CDS (credit default swap), medida de risco do país, subiu 29%, para 265,9 pontos -hoje, essa espécie de seguro contra calote recuou 7,05%.

Nesta sexta, o dia foi de correção para o dólar e de ajuste para a Bolsa, embora em intensidade menor que a esperada pelo mercado, na avaliação de Luis Gustavo Pereira, analista da Guide Investimentos.

"Podia estar um pouco melhor, porque o exterior estava ajudando. E ainda tem muito desafio pela frente, porque não temos uma agenda do que pode ocorrer nas próximas semanas", diz. Segundo ele, o mercado deve continuar colocando um risco maior para o Brasil nos próximos dias.

"Não podemos desprezar nem um revés na aprovação das reformas nem um cenário adverso na política, com possível renúncia de Temer. Com isso, a Bolsa praticamente voltou ao patamar que estava no final de 2016", ressalta.

A dificuldade política para aprovar as reformas foi um dos fatores citados pela agência de classificação de risco Fitch para manter a nota de crédito do Brasil em grau especulativo e com perspectiva negativa, sem descartar um rebaixamento nos próximos meses.

Também nesta sexta-feira, a agência de classificação de risco Moody's indicou que as notícias envolvendo o presidente Temer prejudicam a perspectiva de crédito do Brasil, "ameaçando paralisar ou reverter o positivo momento político e econômico observado recentemente".

"Elas também desviam o foco dos esforços para a promoção das reformas fiscais. Estas reformas, que são críticas para a melhora da força fiscal do país, provavelmente serão interrompidas", prossegue a agência, em comunicado. 


Sexta, 19/5/2017 18:11.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br