Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

'Tempestade' é divertido e inova no gênero filme-catástrofe

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.

Quinta, 19/10/2017 12:15.

THALES DE MENEZES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de uma onda de muito sucesso nos anos 1970, com "O Destino de Poseidon" (este lançado no final de 1969), a franquia "Aeroporto" (quatro filmes entre 1970 e 1979), "Terremoto" e "Inferno na Torre" (ambos de 1974), até hoje os chamados filmes-catástrofe ressurgem de vez em quando. Agora aparece "Tempestade: Planeta em Fúria", que consegue ser divertido e ainda inovar um pouco esse subgênero cinematográfico.

Não trata de um desastre natural específico, como um terremoto ou um tsunami. Um conjunto de catástrofes assola o mundo, incluindo tremores, congelamento, inundações, superaquecimento, chuva monstruosa de granizo e outras desgraças. O que aproxima o filme de "2012", superprodução sobre o fim do mundo, que também era um catálogo de destruições.

Mas "Tempestade - Planeta em Fúria" faz alguma diferença ao introduzir uma trama de filme de espionagem.

Fruto do trabalho conjunto de 17 países, uma estação especial passa a comandar o clima na Terra utilizando uma rede monumental de satélites. Durante três anos, a invenção funciona perfeitamente, mas um belo dia coisas malucas pelo planeta começam a matar. Exemplos?

Paris fica totalmente inundada e a praia de Copacabana é transformada em uma geleira. E, como sempre em Hollywood, a representação do Rio de Janeiro lembra muito mais Porto Rico do que qualquer cidade brasileira.

Para consertar o possível defeito na estação, o governo americano, líder do projeto, chama de volta o gênio científico Jake Lawson, papel do ator escocês Gerard Butler (de "300"). Criador da estação e seus equipamentos, Lawson foi demitido logo após o lançamento dos satélites por se recusar a obedecer ordens do Senado americano.

Seu irmão mais novo, Max (o inglês Jim Sturgess), ocupou seu lugar. E é justamente o caçula, odiado por Jake, que precisa convencer o irmão a ajudar nessa emergência. Rusgas familiares postas de lado, o cientista volta à estação espacial para comandar a atual equipe de controladores e descobrir o defeito. E ele acaba encontrando vestígios claros de sabotagem. Logo em seguida, alguém tenta matá-lo.

Na Terra, Max também segue pistas de uma sabotagem no projeto, e desperta a ira de poderosos. Seu único apoio é a namorada, que o roteiro gentilmente escala como segurança pessoal do presidente americano (Andy Garcia, coadjuvante de luxo), e uma colega hacker.

A partir daí, apesar das interpretações rasteiras e um roteiro cheio de coincidência pouco críveis, o filme ganha algum brilho. Os irmãos estão envolvidos nesse enredo de espionagem, como numa aventura de James Bond, enquanto o mundo se despedaça, matando gente à beça.

O filme é dirigido pelo também produtor e ator Dean Devlin, coadjuvante de longa carreira que tem experiência em filmes de destruição em massa. Ele produziu "Independence Day" (1996) e sua sequência "Independence Day: O Ressurgimento" (2016). A equipe técnica é praticamente a mesma desses filmes, o que rende cenas catastróficas espetaculares.

Mas isso é o mínimo que se pode esperar com a tecnologia atual. "Tempestade: Planeta em Fúria" seria bem melhor com um roteiro caprichado e um ator mais "heroico" do que o sonolento Gerard Butler.

TEMPESTADE: PLANETA EM FÚRIA (bom)
(Geostorm)
DIREÇÃO Dean Devlin
ELENCO Gerard Butler, Jim Sturgees, Ed Harris, Andy Garcia
PRODUÇÃO EUA, 2017
QUANDO estreia nesta quinta (19)
AVALIAÇÃO bom 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Policia

Prefeito Fabrício Oliveira disse que não irá cumprir a recomendação


Seu Dinheiro


Geral

Dentre eles o Rio Canoas, contribuinte do Camboriú


Saúde

Segundo investigação, doença foi contraída em Itapema


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade